Nota de REPULSA às medidas do Governo de SP no combate ao coronavírus

Até que ponto a sandice do Governo Estadual nos levará?

O Sindicato dos Transportadores Autônomos Rodoviários de Rio Claro (SINTRARC) manifesta publicamente através de seus meios digitais sua forte relutância em assimilar o Guia de Prevenção sobre o Corona Vírus determinado pelo governador João Dória. Por entender que se trata de uma medida extrema ferindo o direito do cidadão de ir e vir.

O termo apropriado pelo Governo “Restrição de Circulação” age única e exclusivamente de forma à prejudicar o cidadão que levanta cedo, que enfrenta a labuta dia-a-dia, que depende de trabalho para conquistar o alimento para a sua família. Fato esse que vem agravando a crise gerada pela pandemia e deixando a economia em estado de “emergência“.

Mas não para por aí, em mais uma ação desmedida o Prefeito de São Paulo Bruno Covas, aliado de Dória, anuncia novo rodízio e proíbe a circulação de metade da frota na cidade forçando a sociedade à algomerar-se nos transportes coletivos de contrato com a Prefeitura de SP, com critérios básicos e injustos: poderão circular em dias alternados veículos que tenham a placa par para os dias pares e só circulam veículos com placa final ímpar carros com o dígito final ímpar, essa medida amplia não só o controle de veículos no trânsito mas também a área de ação para toda a Capital Paulista, muito além do ZMRC¹. Houveram exceções? Sim. Suficientes para respeitar quem precisa trabalhar e vai passar por SP? Não. Alguns exemplos de isenção: carros da polícia, do Exército, táxis, veículos da área da saúde e prestadores de serviço de rede elétrica e de gás.

¹Clique e entenda o que é a ZMRC: Zona de Máxima Restrição e Controle de SP

Aí é que vem a questão, rodízio é bom pra quê? Bom pra quem? Para citar só um efeito colateral das restrições temos o DETRAN e o CIRETRAN com os serviços parados, sendo assim não é possível renovar as CNHs, veja bem, ninguém pode renovar a habilitação vencida desde 19/02/20, ciente disso o governo permite que esses motoristas sigam dirigindo isentos de multas (ok), entretanto não há seguradora nenhuma que faça a cobertura de cargas para transporte terrestre com o motorista com a CNH vencida mesmo com a isenção, ou seja, para carregar o caminhão e realizar o transporte é obrigatório ter o seguro da carga e o caminhoneiro não consegue carregar pois não pode renovar!!! Como vai prestar o seu serviço?! É de uma falta de perícia tremenda o que essa gestão está fazendo. Isso pra citar só um exemplo.

Após forte pressão dos caminoneiros, o Governador cedeu e liberou a isenção à todos os caminhões independentes de placas ou cadastro para trafegar em São Paulo. Nem isso eles haviam previsto!

Para o presidente da FECAM-SP (Federação dos Caminhoneiros Autônomos de SP), o Sr. Caludinei N. Pelegrini, “Não podemos nos esquecer que o Transportador Rodoviário de Cargas carrega mais de 80% da economia nacional em suas carrocerias, circulando por todos os cantos do país, transportando todo tipo de produto, de várias procedências, se arriscando a ser contaminado pelo Covid-19 tanto quanto um médico ou enfermeiro.” ressaltando a importância da categoria para a economia nacional.

Por sua vez, Gilvon Barbosa, Pres. do SINTRARC, em nome das categorias faz questão de apontar medidas mais ponderadas e de fundamentais para a recuperação da economia: “Flexibilizar o funcionamento do comércio com todos os cuidados recomendados pela OMS ou pela Vigilância Sanitária, exigir o uso de máscaras, álcool em gel e até luvas para os atendentes de estabelecimentos quando necessário, controlar o acesso dentro dos estabelecimentos por metro² de área livre e, óbvio, enfatizar com a sociedade que deve sair de casa apenas por necessidades não a passeio”.

Sendo essas nossas manifestadas sugestões, não há mais o que se declarar.

APOIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: